terça-feira, outubro 17, 2017
Início > Atualidades > Brasil > Lixo matou mais de mil tartarugas no litoral de São Paulo

Lixo matou mais de mil tartarugas no litoral de São Paulo

Lixo já matou mais de mil tartarugas no litoral norte de São Paulo, entre 2016 e 2017

Entre 2016 e 2017, mais de mil tartarugas foram encontradas mortas por ingestão de lixo no litoral norte de São Paulo. Do total de casos registrados no litoral de São Paulo, 300 foram somente no primeiro semestre de 2017. Os dados do Instituto Argonauta, uma organização não governamental voltada a pesquisas e conservação marinha, sediada em Ubatuba.

Lixo já matou mais de mil tartarugas no litoral norte de São Paulo, entre 2016 e 2017
Lixo já matou mais de mil tartarugas no litoral norte de São Paulo, entre 2016 e 2017

O caso mais recente é de uma tartaruga capturada morta em uma praia de Caraguatatuba, por ter ingerido uma grande quantidade de pedaços de bexiga (balão de festa). O material é confundido pelos animais, como explica o biólogo João Alberto Paschoa do Santos, integrante do Conselho Regional de Biologia da 1ª Região (CRBio-01).

Provavelmente, essa tartaruga se alimentou da bexiga por confundi-la com a água-viva, que é seu alimento natural. O plástico, infelizmente, é também outro tipo de material muito comum nos oceanos e que deixa as tartarugas igualmente confusas, e por isso é uma das principais causas de morte entre elas

Por ano, estima-se que até oito milhões de toneladas de plástico são despejados no mar em todo o mundo.

Oito milhões de toneladas de plástico são despejados no mar por ano, em todo o mundo
Oito milhões de toneladas de plástico são despejados no mar por ano, em todo o mundo

Se levarmos em conta que o tempo de decomposição do plástico é de aproximadamente 400 anos, com essa poluição se repetindo a cada ano, o homem está causando um estrago praticamente irreversível ao meio ambiente. Se não pararmos já com isso, vamos liquidar de vez com a vida marinha

Recipientes de vidro podem ter decomposição de mais de mil anos
Recipientes de vidro podem ter decomposição de mais de mil anos

Além do plástico, outros tipos de lixo também oferecem riscos à vida nos oceanos.

Confira os principais vilões do mar e o tempo de decomposição de cada um deles:

Papel: de três a seis meses;
Tecido: de seis meses a um ano;
Filtro de cigarro: mais de cinco anos;
Madeira pintada: mais de 13 anos;
Nylon (linha de pesca, por exemplo): mais de 20 anos;
Alumínio (lata de refrigerante, por exemplo): mais de 200 anos;
Plástico (garrafas pet, por exemplo): mais de 400 anos;
Vidro (vasilhames, por exemplo): mais de mil anos;
Borracha (pneus, por exemplo): tempo indeterminado.

Gostou do conteúdo? Então, deixe seu comentário; ele é muito importante para mim. Envie sua sugestão de novos assuntos pelo Messenger. Curta e siga o Blog do Maurício Araya no Facebook, Twitter e Instagram; e inscreva-se no canal no YouTube.


0000000000000000000000
Maurício Araya
Jornalista graduado (DRT-MA nº 1.139), com ênfase em produção de conteúdo para web, edição de fotos e vídeos e desenvolvimento de infográficos; com passagem pelas redações do Imirante.com e G1 Maranhão; e vencedor de duas etapas estaduais do Prêmio Sebrae de Jornalismo, categoria Webjornalismo
http://www.mauricioaraya.com.br