Mitos e verdades sobre o vinho: veja as principais curiosidades

Booking.com

Queijos e vinhos, diferença de estilos e harmonização: um mundo de curiosidades e sabores. Joana Neuding, sommelière da Vinho Seleto, empresa especializada em vinho, comida e cultura, revela alguns mitos e verdades sobre o vinho.

Queijo só harmoniza com vinho tinto: mentira!
Diferente do que todos pensam, queijos harmonizam melhor com vinhos brancos e espumantes. O vinho de sobremesa também é um bom companheiro para a iguaria.

É claro que essa é uma generalização e tudo vai depender da variedade do queijo, do terroir, do produtor, do tempo de maturação, cremosidade e teor de umidade, da acidez, do quão salgado e gorduroso ele é, se possui fungos, especiarias, enfim

Se você acha que certos tipos de vinho só servem para uma ou outra coisa, pode estar enganado
Se você acha que certos tipos de vinho só servem para uma ou outra coisa, pode estar enganado

Mas, a grosso modo, queijos frescos, frescos curados e brancos moles, acompanham bem um espumante ou, ainda, um Sauvignon Blanc. As variedades semimoles da iguaria combinam com um Riesling ou um Gewürztraminer, ambos brancos.

O vinho tinto ganha a cena apenas quando a harmonização é feita com queijos duros. Aqui vale um tinto, bem encorpado. Italiano ou francês são excelentes pedidas.
Já os queijos azuis, ou com fungos, pedem um bom vinho de sobremesa, que pode ser tinto ou branco. Experiente a combinação com o Porto ou com o Sauternes.

É válido lembrar, contudo, que quando o assunto é harmonização, existem dicas importantes que podem melhorar a experiência, mas nunca devemos desprezar preferências pessoais e testes empíricos

O champagne se inventou sozinho: verdade!
O champagne, o espumante mais famoso do mundo, inventou-se sozinho. Don Perrignon foi muito importante para melhorar a qualidade do vinho na região e também famoso por ‘domar as bolhas’, causadas por algumas leveduras que continuavam fermentando a bebida já pronta dentro da garrafa.

Essas leveduras ‘dormiam’ durante o inverno e, com a chegada da primavera, elas ‘acordavam’ e continuavam a fermentar o líquido, causando bolhas e estourando as rolhas. Foi um longo processo até que Don Perrigon conseguisse domar esses copos gasosos e chegássemos à bebida que temos hoje

Champagne, espumante mais famoso do mundo, inventou-se sozinho
Champagne, espumante mais famoso do mundo, inventou-se sozinho

Todo vinho deve ser decantado: mentira!
Nem todo o vinho deve ser decantado. A função de decantar são duas:

Para abrir o vinho, ele precisa respirar para soltar os aromas que estão presos e vai ser mais agradável na hora de beber. Para isso ele precisa de uma superficial maior em contato com o ar para liberar essas moléculas. Normalmente vinhos muito encorpados, com muito tanino e álcool ou vinhos antigos. Cuidado com vinhos antigos delicados porque ao decantá-los você pode ‘mata-lo’.

Cuidado ao decantar vinhos antigos delicados: você pode ‘mata-lo’
Cuidado ao decantar vinhos antigos delicados: você pode ‘mata-lo’

A segunda é filtrar as borras que ficam no fundo da garrafa.

O vinho branco é, exclusivamente, produzido com uvas brancas: mentira!
Parece impossível, mas o vinho branco também pode ser feito com uvas vermelhas. O que será aproveitado na produção do vinho é a polpa, que é incolor. O mosto, não entrará em contato com a casca escura, ou seja, o processo deixará o vinho branco. Um exemplo é o Champagne, que muitas vezes tem a uva tinta Pino Noir.

Jornalista graduado (DRT-MA nº 1.139), com ênfase em produção de conteúdo para web, edição de fotos e vídeos e desenvolvimento de infográficos; com passagem pelas redações do Imirante.com e G1 Maranhão; e vencedor de duas etapas estaduais do Prêmio Sebrae de Jornalismo, categoria Webjornalismo

Visualizar publicações

Participe! Deixe o seu comentário: