quinta-feira, outubro 19, 2017
Início > Dicas > Viagem com pets: como reduzir estresse e facilitar adaptação?

Viagem com pets: como reduzir estresse e facilitar adaptação?

Viagem com pets: como reduzir estresse e facilitar adaptação?

Os ‘papaizíneos’ e ‘mamãezíneas’ de cachorrinhos, gatinhos ou outros animaizinhos de estimação, sem dúvida, já se pegaram em um dilema: ter uma viagem marcada e levar ou não o bichinho para acompanhar. A viagem com pets pode criar um ambiente de estresse para eles, mas é possível facilitar a adaptação dos animaizinhos.

É possível reduzir estresse dos bichinhos em viagens? Especialista dá dicas
É possível reduzir estresse dos bichinhos em viagens? Especialista dá dicas

Como reduzir o estresse de um animal em viagem? Quais riscos ele corre?

Para responder a essas e outras questões sobre a viagem com pets, a especialista Mariana Martins, da Magnus – fabricante de alimentos para cães e gatos – produziu um artigo com dicas para quem se encontra nesta situação, que compartilho com vocês abaixo:

Viajar é sempre bom, mas a experiência é ainda melhor se estivermos em boas companhias. E para quem tem cães ou gatos em casa, a parceria do amigo de quatro patas é fundamental em todas as horas, ainda mais em um lugar distante. Alguns têm receio de sair de férias com os pets, preferindo deixá-los em um hotel próprio ou sob os cuidados de alguém de confiança. Tudo para evitar ‘situações de estresse’. O raciocínio de preservar os animais é totalmente correto, porém, com algumas precauções, é possível mudar de ambiente e causar o mínimo possível de desconforto, levando seu amigo com você nas viagens.

A primeira preocupação deve ser com o transporte. Se a viagem for de avião, é importante planejar vacinas e providenciar os atestados de saúde e segurança exigidos pelas companhias aéreas. Nesses casos, cada uma delas tem a sua cartilha e vale conferir os antecedentes desses voos – há histórias lamentáveis de animais perdidos ou maltratados por empresas de aviação e por isso é essencial se informar antes de comprar as passagens. Se o destino for outro país, é provável que existam regras de quarentena e necessidade de uma série de exames. Um processo muito longo e desgastante só pode ser feito se for inevitável, pensando na saúde do pet.

Quando o percurso é realizado de automóvel, o conforto é igualmente uma questão delicada (inclusive, uma pesquisa feita no Reino Unido indicou que 89% dos motoristas aceitariam comprar carros adaptados para seus pets). O bichinho deve contar com uma caixa de transporte e estar sempre protegido por um cinto de segurança, afinal ver cães ou gatos soltos, com a cabeça para fora de um carro, é até bonitinho, mas aumenta o risco de acidentes e representa uma infração de trânsito. Além desses cuidados, é recomendável que se faça uma parada a cada duas horas para descanso. Mas, pelo risco de enjoos, água e alimentos devem ser oferecidos com moderação – o ideal é fazer um planejamento para que o animal não consuma nada algumas horas antes de sair de casa até a chegada ao destino.

Ao chegar ao destino, a alimentação normal deve ser retomada. Uma boa dica para ajudar na adaptação é espalhar brinquedos e objetos conhecidos, a fim de passar uma sensação maior de segurança. O ambiente pouco familiar tende a causar ansiedade e pode levar a possíveis problemas gastrointestinais, como diarreias. Pensando nisso, a mala ideal para confortar o pet deve conter também itens como: comedouro próprio; vasilha para água própria; roupas e mantas; protetor solar e bags para coletar fezes; entre outros artigos específicos para cada raça.

Cães ou gatos podem se irritar muito saindo de casa, mas não devemos, de forma alguma, medicá-los com calmantes sem a orientação de um médico veterinário. Para deixá-los mais tranquilos, uma boa opção é caminhar com eles algumas horas antes, um hábito que sempre ajuda a relaxar o animal. A própria caixa de transporte pode ser encarada como uma experiência menos traumática se os pets forem acostumados com elas desde novo.

Gatos tendem a ficar agitados com nova rotina
Gatos tendem a ficar agitados com nova rotina

Felinos, com maior frequência, tendem a ficar agitados quando mudam de rotina ou chegam a um lugar novo. Para amenizar o sofrimento, existe no mercado a opção de feromônio de ambiente, um produto concebido para esse tipo de situação. Outra possibilidade é levar objetos com o cheiro do animal ou, ainda, esfregar suavemente uma toalhinha em todo o rosto do gatinho, para em seguida, passar nos objetos, móveis e paredes.

Por último, mas não menos importante, um alerta deve ser feito: algumas regiões do Brasil são endêmicas de dirofilariose (doença conhecida como ‘verme do coração’, que pode levar o pet à morte). Se esse for o caso do seu destino de viagem, é preciso providenciar uma medicação prévia. Afinal cada pequeno detalhe deve ser levado em conta para assegurar que nossos amigos também aproveitarão – sem traumas – esse momento especial.

Gostou do conteúdo? Então, deixe seu comentário; ele é muito importante para mim. Envie sua sugestão de novos assuntos pelo Messenger. Curta e siga o Blog do Maurício Araya no Facebook, Twitter e Instagram; e inscreva-se no canal no YouTube.


0000000
Maurício Araya
Jornalista graduado (DRT-MA nº 1.139), com ênfase em produção de conteúdo para web, edição de fotos e vídeos e desenvolvimento de infográficos; com passagem pelas redações do Imirante.com e G1 Maranhão; e vencedor de duas etapas estaduais do Prêmio Sebrae de Jornalismo, categoria Webjornalismo
http://www.mauricioaraya.com.br