Opinião, TV

Desventuras em Série no Netflix: assisti, e deixo minha opinião

Estreou nesta sexta-feira, 13, a primeira temporada da tão esperada – por seus fãs – série de fantasia Desventuras em Série (Lemony Snicket’s A Series of Unfortunate Events, 2017) no Netflix. Adaptação da obra de Daniel Handler, de mesmo nome, a peça causou grande expectativa. Assisti e, mantendo o que tenho aqui no blog, deixo algumas das minhas impressões.


 Siga-me nas redes sociais: Facebook (perfil / página) / Instagram (@mauricioaraya / @mauriciojorbr) / Twitter (@mauricioaraya / @mauriciojorbr) 

Quem não leu a série de livros pode ter, ainda assim, a história como familiar. A primeira adaptação da obra surgiu em 2004, no filme dirigido por Brad Silberling. O roteiro conta a trajetória dos irmãos Baudelaire – Klaus (Louis Hynes), Violet (Malina Weissman) e Sunny (Presley Smith) –, após perderem os pais em um misterioso incêndio. Alvo da ambição de conde Olaf, um quase desconhecido parente com quem passa a morar, o trio passa a ter como missão proteger a si mesmo e buscar respostas para o mistério.

Desventuras em Série conta trajetória dos irmãos Baudelaire, após perderem pais em misterioso incêndio
Desventuras em Série conta trajetória dos irmãos Baudelaire, após perderem pais em misterioso incêndio

No papel de Olaf, está o aclamado Neil Patrick Harris – também produtor da série –, de How I Met Your Mother. Sendo bem sincero, acredito que a atuação de Neil – apesar de propositalmente se aproximar de sua versão original, em livro – deixa muito a desejar, em especial em suas diversas caracterizações – o que se aproximaria daquela terrível sensação de não rir de uma piada até boa, mas mal contada. Difícil não comparar com Jim Carrey, Olaf da primeira adaptação em longa-metragem. Nesta adaptação, entretanto, quem se destaca é a pequena Presley, no papel de Sunny.

Neil Patrick Harris vive ganancioso conde Olaf em Desventuras em Série, no Netflix
Neil Patrick Harris vive ganancioso conde Olaf em Desventuras em Série, no Netflix

Aliás, como um todo, fica difícil acreditar que a série não buscou, ao menos um pouquinho, inspiração no longa de 2004. Mais parece uma versão bem estendida do filme. Um dos motivos que me levam a crer nisso é a enorme semelhança entre Malina Weissman e Emily Browning, ambas no papel de Violet. Como adaptação para a ‘TV’ – ou Netflix –, faltou um pouco mais de ‘ousadia’ – será que ela virá na segunda temporada, prevista para 2018?

É como ler o livro…

Se Desventuras em Série no Netflix possui algum mérito, esse é o de permitir ao espectador experimentar a linguagem literal em audiovisual; desde dar vida a Lemony Snicket (Patrick Warburton) – pseudônimo de Handler –, que tem papel fundamental e mais presente entre narrador, repórter e investigador dos fatos vividos pelos irmãos Baudelaire – na primeira versão, Jude Law deu vida, em silhueta, a Snicket – ; até o de criar melancólicos, sombrios e fantásticos cenários bem característicos da série.

Exceto pela insípida abertura, Desventuras em Série parece uma boa opção aos afeiçoados pelo gênero.